sábado, 24 de abril de 2010

É sim, eu não bebo [versão 2.0]

Me obrigo novamente a escrever sobre esse tema, mesmo que pouco, mas mesmo assim um complemento inerente ao que já foi dito anteriormente.

Nos últimos dois finais de semana ocorreu aqui na minha cidade o "Festival Nacional do Chopp", uma tradicional festividade que remonta aos costumes de nossa tradição germânica. Em suma: são duas noites de sábado dedicadas a se encher de chopp, ficar completamente bêbado, perder a dignidade e passar provavelmente o maior ridículo da vida.

Pois bem, em fevereiro último completei dezoito anos, e já me perguntaram se eu iria ir no Festival. Como pelo menos tento parecer educado, disse que não do jeito mais elegante que pude. Óbvimente me olharam torto com cara de "Que retardado...".
Ótimo, sou um retardado. Ao que me parece, ser o que convencionalmente se entende por normal, legal, descolado, e saber aproveitar a vida ao máximo, é bancar o idiota e sacripanta, se rebaixar a glutonices etílicas para depois pôr tudo para fora num belíssima fonte de regozijo podre. Sim, eu sou um retardado, e o retardado mais feliz do mundo.

2 comentários:

Bard disse...

comigo é a mesma coisa... com a direfença que eu nao tenho nenhuma tradição a seguir, a nao ser essa inventada dos brasileiros que que muleques que viram rapaizinhos devem enxer a cara, meio paradoxal isso.

Bard disse...

comigo é a mesma coisa... com a direfença que eu nao tenho nenhuma tradição a seguir, a nao ser essa inventada dos brasileiros que que muleques que viram rapaizinhos devem enxer a cara, meio paradoxal isso.