segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Tudo tem o seu começo




Decidi criar este blog para poder ter um lugar onde escrever tudo o que me vem em mente. Todos nós precisamos de algum tipode subterfúgio. Tomei o nome de Lobo da Estepe por opção literária, óbviamente tendo lido o livro homônimo de Herman Hesse. Isso explica-se pelo fato de eu ter me identificado bastante com os estranhos conflitos pessoais que o personagem principal do livro sofre, não que eu seja também um completo desagregado da sociedade, mas eu também acabo sentido algum tipo de repulsa pelos modos como o mundo atual acontece.

Acho deverás estranho os comportamentos da maioria das pessoas, provavelmentte tanto quanto elas achem o meu estranho. Portanto, precisava encontrar uma saída para meus questionamentos, mesmo os absurdos e fantasiosos. Quero só falar, mostrar alguns escritos, contos quem sabe, para com eles deixar algum tipo de marca, e se acaso alguém vier a realmente ler isso, que pense e reflita, e passe a entender um pouco mais as controversas formas como se comportam os espíritos humanos.

Não tenho ambição nenhuma de mudar a vida de nínguem, não posso ser tão pretencioso, meu talento literário talvez nunca chegue nesse ponto, e então, meu único objetivo seria compartilhar um pouco das minhas idéias com quem estiver disposto a analisa-las com relativa atenção.

Pode até parecer covardia um sujeito ter de colocar tudo na internet em vez de ser franco e direto com seus convivas, e falar tudo o que pensa, se impondo e se fazendo presente no suposto meio cultural. Mas tenho um argumento para justificar essa escolha: seria algo próximo à intolerância. Sim, isso soa estranho, mas é verdade. Um tipo de intolerância fortemente ligado ao medo do que não se pode(ou não se quer) entender, e do que é aparentemente diferente, estranho, esdrúxulo e motivo de uma forma muito sutil de desprezo.

Pode até ser covardia, mas uma covardia impulsionada pelo cansaço de tanto tentar e não ser ouvido, ou não, talvez simplesmente pelo descaso desse tentar ou pura incopetência na fala oral e no relacionamento inter-pessoal. Tudo isso são hipóteses, as quais não posso prometer resposta alguma.

No mais seria isso. Não escolho, não defino, não delimito temas, prefiro deixar de lados preconceitos e idéias pré-formatadas, escrevendo conforme a situação, deixando-me levar pelo incompreensível andar das coisas do mundo.

Um comentário:

Bard disse...

Muito bem, parabens por começar e já estar levando a sério esse tempo todo :D

Não desmerecendo os primeiros artigos, mas sua evolução foi muito boa.

Nada dos mesmos temas de sempre que todos falam...

Não sei nem se vc vai ver comentários de posts antigos aiuheuae, mas

Muito bom.